Skip to content

Raparigas agressoras: Percebendo diferentes tipos de bullying

Raparigas agressoras: Percebendo diferentes tipos de bullying

É triste que a maioria dos jovens sofram de bullying a certa altura. Mas enquanto é igualmente provável que rapazes e raparigas sejam vítimas, para as raparigas costuma ser mais discreto. Por isso, é importante que os pais reconheçam os sinais de bullying entre raparigas e que estejam cientes dos seus perigos.

Raparigas agressoras vs. rapazes agressores: os diferentes tipos de bullying

Quais são as principais diferenças entre a forma como as raparigas e os rapazes fazem ou sofrem de bullying?
• Subtil: Com raparigas, o bullying tende a ser subtil. É mais provável que envolva táticas de bullying social como o ostracismo, a alienação e espalhar boatos do que bullying verbal cara a cara.
• Premeditado: As raparigas têm mais tendência a fazer bullying premeditado, enquanto os rapazes tendem a ser mais oportunistas.
• Bullying psicológico ou emocional: Com os rapazes, o bullying tende a ser mais físico. Alguns rapazes gostam do status que ganham por se terem envolvido numa luta. As raparigas tendem a fazer bullying em segredo e a nível psicológico (como magoar os sentimentos de alguém), em vez de bullying físico.
• Rapazes e raparigas: As raparigas podem sofrer bullying por parte de rapazes ou raparigas. Os rapazes, por outro lado, são mais frequentemente vítimas de outros rapazes.

Quando o bullying é físico os adultos tendem a reagir depressa. Com bullying entre raparigas, como é mais provável que seja psicológico, é mais difícil de perceber - mas é importante tomar medidas da mesma maneira.

Táticas de bullying social: exclusão

A psicóloga Dra. Nancy Etcoff, especialista em neurociência das emoções, explica: "Com os rapazes, pode haver agressão, murros. Com as raparigas, é muito mais discreto. É sobre reputações, excluindo-as do grupo social."

Isto é extremamente debilitante - e, por isso, eficaz do ponto de vista do agressor -, porque no mundo de um jovem, as relações sociais são o mais importante. Uma jovem está programada para se relacionar, por isso qualquer coisa que ameace isso tem um impacto fortíssimo.

Se a sua filha está a sofrer exclusão por parte de agressores, isso vai ter impacto em tudo na sua vida. Para si, pode parecer uma reação exagerada, mas tudo o que a sua filha quer é fazer parte de um grupo de amigos - eles são o centro do seu universo e o que faz a vida valer a pena (pensa ela).

O bullying entre raparigas foca-se na aparência física

Os jovens preocupam-se muito em fazer parte de algo, por isso, não é de admirar que, muitas vezes, o bullying entre raparigas se foque na aparência, especialmente no que é "diferente". Um estudo nos Reino Unido concluiu que 56% das raparigas foram gozadas por causa do peso, formato do corpo, altura ou cor do cabelo.

Como as raparigas dão tanta importância a pertencerem a um grupo social, sofrerem bullying por causa da sua aparência pode ter um grande impacto. A pesquisa concluiu que sofrer bullying, ainda que de vez em quando, aumenta o risco de depressão em raparigas, enquanto nos rapazes esse risco só aumenta se o bullying for frequente. A pesquisa também mostrou que as raparigas que sofrem bullying têm mais probabilidade de se envolver em drogas.

Outra descoberta triste desta pesquisa é que as raparigas passam a ter dificuldade em acreditar que se possam dizer coisas boas sobre elas - especialmente sobre a aparência. Ser vítima de bullying é devastador para a autoestima de uma rapariga.

É importante como pais estarem cientes do que se passa na vida da vossa filha. Como se estão a desenvolver as suas amizades? Ela é simpática com os outros e está a receber a simpatia que merece dos outros?

Amigos ou "frenemies"? Percebendo os sinais de bullying

"Frenemies" é o nome que se dá a pessoas que fingem serem amigas, quando na verdade baixam a autoestima e a confiança do outro - muitas vezes, porque lhes falta autoconfiança a eles próprios. Pode levar um tempo até perceber que uma rapariga que parece ser amiga, está na realidade a prejudicá-la e que talvez até seja, de forma indireta, uma agressora.

Fale com a sua filha sobre "frenemies". Diga-lhe para ter cuidado com "amigas" que:
• Se comparam constantemente com elas, ou parecem estar a competir a toda a hora
• Parecem sempre misturar um elogio com uma crítica
• Fazem fofocas sobre ela nas costas

  • 1

    Reconheça os sentimentos da sua filha

    Se ela se sente debilitada por causa dos insultos, gestos ou comportamentos de outras raparigas (ou rapazes), ela está certa - por muito que pareça o contrário de fora. Não lhe diga que não está a acontecer ou que ela devia ignorar. Ouça-a e acredite na sua história.

  • 2

    Fale com ela sobre o seu círculo de amigos

    Se ela estiver a ter problemas com os amigos, veja se ela consegue pensar numa forma de melhorar a situação. É melhor ajudá-la a resolver as coisas, do que ter de se meter.

  • 3

    Prepare-se para tomar medidas

    Se tudo o resto falhar, considere falar com o professor da sua filha ou até abordar os pais da outra rapariga.

  • 4

    Ensine-a a manter a sua posição

    Fazer frente a um agressor costuma ser a melhor solução. É preciso ter coragem, mas com sucesso vem também um sentimento fantástico de autoestima e empoderamento.